Carl Clauberg

O regime nazista, dirigido por Adolf Hitler, buscava alterar a composição genética da população através de medidas conhecidas como “higiene racial” ou “Eugenia”. Cientistas no campo da bio-medicina – especialmente antropólogos, psiquiatras e geneticistas, vários deles com treinamento medico especializado – tiveram importante papel na legitimização destas políticas e auxiliaram na sua implementação.  Eles haviam abraçado tais idéias antes mesmo de Hitler haver tomado o poder em 1933, apoiando o regime nazista devido a seu encorajamento para atividades de cunho eugênico e apoio para suas pesquisas.

No início de sua carreira como pesquisador em ginecologia, Carl Clauberg havia estudado tratamentos para auxiliar mulheres a engravidarem.  Em 1943 e 1944, com a autorização do chefe das SS, Heinrich Himmler, Clauberg levou a efeito experimentos medicos em Auschwitz para desenvolver um método de esterilização em massa.  Usando 700 mulheres, a maioria delas judias, ele injetava toxinas nos seus úteros,  causando-lhes dores fortíssimas e muitas vezes a morte.  Ele também fez experimentos em mulheres aprisionadas no campo-de-concentração de Ravensbrück.

Clauberg foi preso pelas autoridades soviéticas, julgado e sentenciado à prisão por 25 anos em razão dos crimes ligados a seus experimentos para a esterilização nos campos.  Ele foi libertado em 1955 como parte de um acordo de repatrição teuto-soviético. A polícia alemã tornou a prendê-lo, mas ele morreu antes do início de seu julgamento em 1957. 

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.