<p>Meninas alemãs posando junto a uma bandeira nazista, em frente à sua escola.  Dentre as retratadas está Lilli Eckstein, seis meses antes de ser expulsa da escola por ser judia. Heldenbergen, Alemanha. 1935.</p>

A História da Suástica

A suástica é um símbolo muito antigo, que foi utilizado por muitas culturas diferentes, ao longo de cerca de cinco mil anos, antes de Adolf Hitler ter dela se apropriado e a colocado no centro da bandeira nazista.  Na atualidade, seu uso por certos grupos extremistas é uma incitação ao ódio.

A palavra suástica vem do sânscrito svtika, que significa “boa sorte” ou “bem-estar”.  O desenho (uma cruz gamada) parece ter sido utilizado pela primeira vez na Eurásia, há cerca de 7.000 anos, talvez como uma representação do movimento do Sol no céu.  Até hoje, é um símbolo sagrado no hinduísmo, no budismo, no jainismo e no odinismo.  É comum encontrá-la em templos ou residências na Índia e na Indonésia.  As suásticas também têm uma história antiga na Europa, aparecendo em artefatos de culturas europeias pré-cristãs.

Sua “Descoberta” e Seus Significados na Europa Moderna

 Devido a um crescente interesse europeu nas antigas civilizações do Oriente Próximo e da Índia, o símbolo teve um ressurgimento na Europa do século dezenove.  Durantes suas extensas escavações, o arqueólogo alemão Heinrich Schliemann encontradas na cerâmica alemã uma cruz gamada no local da antiga Tróia.  Ele combinou o símbolo com formas semelhantes, encontradas em cerâmicas na Alemanha, e especulou se a mesma seria “um símbolo religioso de significância para nossos ancestrais remotos”.  Outros pesquisadores e estudiosos europeus ligaram o símbolo a uma possível cultura ariana, a qual haveria abarcado a Europa e a Ásia. 

No início do século vinte, a suástica estava em grande moda na Europa. Ela possuía inúmeros significados, mas o mais comum era como símbolo de boa sorte e bons auspícios.

Como os Nazistas se Apropriaram da Suástica

 No entanto, o trabalho de linguistas e outros estudiosos europeus foi encampado por grupos racistas, para os quais a suástica era um símbolo da "identidade ariana" e do orgulho nacional alemão.

Esta conjectura sobre a ascendência cultural ariana do povo alemão é provavelmente uma das principais razões pelas quais o Partido Nazista adotou formalmente a suástica, ou a Hakenkreuz (i.e. Cruz Gamada), como seu símbolo, no ano de 1920.

O Partido Nazista não foi o único a usar a suástica na Alemanha. Após a 1ª Guerra Mundial, alguns movimentos nacionalistas da extrema-direita alemã já a haviam adotado e, como símbolo reconstruído, ela foi associada à ideia de um estado racialmente "puro". Na época em que os nazistas obtiveram o controle politico na Alemanha, as conotações originais da suástica já haviam sido alteradas para sempre.

No seu livro Mein Kampf, Adolf Hitler escreveu: "Enquanto isso, eu mesmo, depois de inúmeras tentativas, havia chegado a uma forma final; uma bandeira com fundo vermelho, um disco branco e uma suástica preta no meio. Após longas experimentações, também cheguei a uma proporção definida entre o tamanho da bandeira e o tamanho do disco branco, bem como entre a forma e a espessura da suástica".

O esquema de cores da bandeira nazista foi intencionalmente elaborado sobre as cores da Bandeira da Alemanha imperial (1871-1918), a qual ainda era um poderoso símbolo para muitos alemães que rejeitavam a democracia e a República de Weimar.  A combinação entre as cores, junto à suástica, criaram um logotipo poderoso, uma marca que tornou-se indelevelmente ligada ao Partido Nazista.  Muitos partidos políticos na Alemanha democrática não possuíam um logotipo politico; mas o Partido Comunista e o Partido Nazistas eram excessões.

A suástica se tornaria o ícone mais reconhecível da propaganda nazista, aparecendo na bandeira, mencionada por Hitler em Mein Kampf, bem como em cartazes eleitorais, braçadeiras, medalhões e emblemas militares e de outras organizações de extrema direita. Um símbolo poderoso, destinado a suscitar orgulho entre os que se pensavam “arianos”, a suástica também despertava terror entre judeus e outros grupos étnicos denominados como “inimigos” da Alemanha nazista.

A Suástica e o Terceiro Reich

 Em 1933, pouco após tomar o poder, o regime hitlerista substituiu a bandeira constitucionalmente mandatória da República de Weimar, com as cores preta, vermelha e dourada, cores tradicionalmente ligadas às tradições democráticas alemãs.  No dia 12 de maio de 1933, o presidente Paul von Hindenburg e Adolf Hitler emitiram um decreto declarando que a antiga bandeira imperial alemã (preta-branca-vermelha) deveria ser hasteada em conjunto com a bandeira que carregava a imagem da suástica. O edito dizia que “estas bandeiras conectam o passado glorioso do império alemão com o poderoso renascimento da nação alemã.  Em conjunto, elas incorporam o poder do Estado e a solidariedade interna dos círculos nacionais do povo alemão”.  

Dois meses mais tarde, em 19 de maio de 1933, o governo nazista proibiu que “os símbolos da história alemã, do Estado alemão, e da revolução nacional, fossem utilizados publicamente de forma tal que pudesse danificar os sentimentos de dignidade relativos aos mesmos.” A legislação era dirigida contra anunciantes e companhias privadas, dentre outros, que utilizassem a suástica, ou outros símbolos e imagens nazistas na divulgação comercial de seus bens e serviços sem a aprovação governamental.  Neste período, o mercado alemão estava inundado por produtos – café, cigarros e formas de bolos, dentre outros – decorados com suásticas, com a face de Hitler, ou outros símbolos.  A nova lei fez com que os produtores de produtos não autorizados ficassem sujeitos a ações criminais.

A Bandeira do Terceiro Reich e as Leis Raciais

Na reunião anual do Partido Nazista, levada a efeito em setembro de 1935, o governo alemão passou uma nova legislação direcionada a alienar ainda mais os judeus alemães.  Dentre as assim chamadas “Leis de Nuremberg”, estava a Lei da Bandeira do Reich (15 de setembro de 1935), que declarava que, a partir daquele momento, a bandeira com a suástica se constituiria na bandeira nacional oficial do Reich Alemão.   Naquele mesmo dia, o governo também aprovou a “Lei para a Proteção do Sangue e da Honra Alemã”, a qual proibia casamentos e relações sexuais entre cidadãos de “sangue alemão ou a ele relacionado” e judeus.  Uma estipulação extra esclarecia que os judeus estavam proibidos de hastear a nova bandeira (com a suástica) e que mostrasse as cores nacionais.

O ímpeto por trás da criação da Lei da Bandeira do Reich foi a foi a reação de raiva do regime nazista frente a eventos que ocorreram em Nova Iorque no verão e no outono de 1935.  No dia 26 de julho, várias centenas de manifestantes antinazistas cercaram um navio de passageiros de uma linha alemã, o SS Bremen, e o ancoraram em um cais naquela cidade, como protestos contra os ataques contra os judeus em Berlim.  Um grupo de manifestantes arrancou a suástica do cartaz no navio e a jogou no rio.  A polícia de Nova Iorque prendeu vários dos manifestantes.  As autoridades alemãs imediatamente emitiram um protesto formal junto às autoridades norte-americanas. 

Em resposta à decisão judicial americana de libertar aqueles manifestantes, o governo nazista promulgou a mencionada Lei.

Restrições Pós-Guerra ao Uso da Suástica e Controvérsias Culturais

Em seguida à derrota da Alemanha nazista em 1945, os governos dos países Aliados legislaram tornando ilegais as organizações nazistas.  Seus símbolos e sua propaganda foram removidos e sua disseminação foi criminalizada.  Os subsequentes governos pós-Guerra alemães continuaram a banir os símbolos nazistas e sua propaganda, incluindo a suástica.  Hoje, na Alemanha e em outros países europeus, a mostra pública de símbolos nazistas, inclusive pela Internet, é proibida por lei e os indivíduos que violam tais termos estão sujeitos a ações judiciais.

Nos Estados Unidos não é ilegal exibir símbolos e propaganda nazistas, devido às tradições do país e das leis que protegem a livre expressão.

Em tempos e em nações diversas, a suástica tornou-se um ícone cultural controverso.  Algumas gangues de motociclistas nos EUA começaram a usar a suástica, no início da década de 1950, para destacar sua natureza ilegal.  No final da década de 1970, alguns intérpretes de punk-rock seus seguidores passaram a mostrar abertamente a suástica como um símbolo de rebelião juvenil contra o status quo.

Algumas vezes, os símbolos nazistas assumem conotações neutras, ou mesmo positivas, em países com pouca ou nenhuma conexão com a história da ideologia nazista e de seus crimes de assassinato em massa.  A suástica, como um símbolo do nazismo, bem outros símbolos daquele regime, e até mesmo a figura de Adolf Hitler assumiram uma nova conotação em alguns países, onde passaram a significar unidade nacional, força, disciplina, anticolonialismo, lei e ordem.  Símbolos, tais como a suástica, possuem uma longa história.  Para evitar desentendimentos e seus mal usos, as pessoas devem levar em consideração o contexto e o uso que os nazistas fizeram desses símbolos e dos símbolos em geral. 

Leituras adicionais

Heidtmann, Horst. “Swastika.” Em Encyclopedia of the Third Reich, pag. 937-939. New York: Macmillan, 1991.

Heller, Steven. The Swastika: Symbol Beyond Redemption? - New York: Allworth Press, 2000.

Quinn, Malcolm. The Swastika: Constructing the Symbol. London: Routledge, 1994.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.