German forces enter Aachen, on the border with Belgium, following the remilitarization of the Rhineland. [LCID: 70032]

Política Externa Alemã - 1933-1945

Política Externa Alemã -1933-1945

Após a ascensão dos nazistas ao poder, o governo de Adolf Hitler adotou uma política exterior que visava à incorporação ao Reich (Império) dos territórios onde viviam grupos étnicos de etnia alemã (Volkdeutsche) que viviam fora das fronteiras da Alemanha; a dominação da parte oeste da Europa; bem como a conquista territorial (Lebensraum) do leste europeu (que era considerado como "espaço vital" para o crescimento nazista). Hitler calculou que para obter a hegemonia alemã sobre a Europa teria que haver guerra, especialmente no leste europeu. Os eslavos, vistos pelos nazistas como seres "racialmente inferiores", seriam escravizados, exterminados ou expulsos para além dos Montes Urais. Com a conquista do Lebensraum e a expulsão/destruição dos eslavos, Hitler imaginava que a marcha para o leste” destruiria o Bolchevismo (comunismo).

De 1933 a1938, Konstantin von Neurath, um diplomata de carreira políticamente conservador, foi o ministro das relações exteriors da Alemanha. Durante seu mandato, aquele país manteve uma política revisionista que visava à superação de restrições impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalhes, e também a de sobrepujar-se às iniciativas diplomáticas da Grã-Bretanha e da França. A Alemanha abandonou a Liga das Nações [atual ONU]; iniciou um rápido processo de rearmamento; assinou um pacto de não-agressão com a Polônia; readquiriu o território de Saar [que era parte da Prússia e da Bavária] através de um plebiscito; ajudou militarmente os seguidores de Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola; e remilitarizou a Renânia.

De 1938 a 1945, Joachim von Ribbentrop, membro do Partido Nazista e ex-embaixador na Grã-Bretanha, foi o ministro das relações exteriores. Durante esse período, a Alemanha fortaleceu seus laços com o fascismo italiano e com o Japão, assinando um Pacto Anti-Comintern para o combate ao comunismo; o Pacto de Aço (com a Itália); e o Pacto das Três Potências, assinado durante a Guerra (com a Itália e o Japão).

Em 1938, a Alemanha abocanhou novos territórios utilizando-se de ameaças militares. Em fevereiro, Hitler pressionou o chanceler austríaco Kurt Schuschnigg a assinar o acordo austro-alemão (Berchtesgaden Diktat), o qual colocou nazistas em altas posições no governo austríaco. No mês seguinte, a Alemanha realizou a Anschluss, i.e. a anexação da Áustria. Hitler começou, então, a exigir uma solução para a “Crise dos Sudetos”, um conflito por uma região da Tchecoslováquia povoada predominantemente por uma população de idioma alemão. Em 30 de setembro de 1938, o primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain (defensor do apaziguamento frente aos alemães), o premiê francês Edouard Daladier, o primeiro-ministro italiano Benito Mussolini e Hitler assinaram o Acordo de Munique, que cedia os Sudetos à Alemanha à revelia da Tchecoslováquia. Em março de 1939, a Alemanha ocupou e desmembrou o que havia sobrado do território da Tchecoslováquia.

Em agosto de 1939, Ribbentrop assinou o Pacto de Não- Agressão Germano-Soviético. O Pacto foi apenas um desvio temporário nos rumos da política exterior alemã, normalmente anti-comunista, mas o acordo deu a Hitler a liberdade para atacar a Polônia em 1º de setembro de 1939, sem receio de intervenção soviética. No dia 3 de setembro de 1939, a Grã-Bretanha e a França, países aliados à Polônia, declararam guerra à Alemanha. A agressividade da política exterior nazista teve como consequência a deflagração da Segunda Guerra Mundial.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.