Os Estados Unidos e o Holocausto: Tentativas de Resgate

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos não agiram de maneira decisiva e específica com relação às vítimas do Holocausto. Em geral, oficiais americanos justificavam tal falta de interesse com o argumento de que a vitória militar sobre a Alemanha oferecia melhores perspectivas para cessar o extermínio.

Em resposta à pressão gerada pela revelação pública da “Solução Final” nazista, no final de 1942, representantes americanos e britânicos reuniram-se nas Ilhas Bermudas, em 19 de abril de 1943, com o objetivo de encontrar soluções para os problemas dos refugiados. No entanto, nem o governo iniciou programas de resgate, e tampouco surgiram propostas significativas oriundas daquela conferência. Em 28 de julho de 1943, o emissário secreto polonês Jan Karski informou ao Presidente Roosevelt sobre relatórios de assassinatos em massa, que ele recebera de líderes judeus no gueto de Varsóvia e no gueto transitório de Izbica.

Sob a crescente pressão popular americana, e dentro de seu próprio gabinete, particularmente do Secretário do Tesouro Henry Morgenthau Jr. e sua equipe, Roosevelt emitiu a Ordem Executiva/OE 9417, em 22 de janeiro de 1944. A OE criou uma Comissão de Refugiados de Guerra (WRB/ War Refugee Board), diretamente sob sua autoridade e financiada por fundos discricionários, provenientes do fundo emergencial da Presidência. Seu propósito era tomar todas as medidas dentro do sistema da política norte-americana “para resgatar vítimas da opressão inimiga em risco iminente de morte” e “oferecer ajuda e assistência consistentes com os procedimentos bem-sucedidos na guerra”. Roosevelt instruiu os Departamentos de Estado, do Tesouro e da Guerra para “executar os planos, programas e medidas formulados pela Comissão, bem como fornecer-lhes informações e assistência”.

Entre junho e agosto de 1944, a Comissão dos Refugiados de Guerra estabeleceu o Centro para Refugiados do Fort Ontario, em Oswego, Nova Iorque, para facilitar o resgate dos refugiados em perigo. A instalação serviu como um refúgio seguro para 983 refugiados oriundos da antiga Iugoslávia que haviam conseguido fugir para a Itália. Em agosto daquele mesmo ano, aquelas 983 pessoas chegaram ao Centro, sendo que 918 delas possuíam identidade judaica. O mais notável sucesso da WRB, contudo, foi o trabalho das legações diplomáticas de países neutros postadas na Hungria ocupada [pelos nazistas] durante a segunda metade de 1944. Os fundos da WRB apoiaram os esforços do diplomata sueco Raoul Wallenberg, do diplomata suíço Charles Lutz, e de outros corajosos membros do corpo diplomático em seus esforços para impedir a deportação de dezenas de milhares de judeus de Budapeste.

As autoridades norte-americanas não iniciaram qualquer ação destinada a resgatar ou providenciar abrigo seguro para os refugiados antes do estabelecimento da Comissão dos Refugiados de Guerra, em 1944. Quando a WRB foi criada, os nazistas já haviam assassinado 80% dos judeus que morreram na Guerra.

Leituras recomendadas

Breitman, Richard, and Alan Kraut, American Refugee Policy and European Jewry, 1933-1945. Bloomington: Indiana University Press, 1987.

Breitman, Richard, Official Secrets: What the Nazis Planned, What the British and Americans Knew New York: Hill and Wang, 1998.

Feingold, Henry L., Bearing Witness: How America and Its Jews Responded to the Holocaust. Syracuse, NY: Syracuse University Press, 1995.

Gurock, Jeffrey S., ed. America, American Jews, and the Holocaust. New York: Routledge, 1998.

Hamerow, Theodor. While We Watched: Europe, America, and the Holocaust. New York: Norton, 2008.

Lipstadt, Deborah E., Beyond Belief: The American Press and the Coming of the Holocaust, 1933-1945. New York: Free Press, 1986.

Neufeld, Michael J., and Michael Berenbaum, editors. The Bombing of Auschwitz: Should the Allies Have Attempted It?. New York: St. Martin's Press, 2000.

Wyman, David S. Paper Walls: America and the Refugee Crisis, 1938-1941. New York: Pantheon Books, 1985.

Wyman, David S. The Abandonment of the Jews: America and the Holocaust, 1941-1945. New York: The New Press, 1998.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.