Sobibor (Artigo Resumido)

No primeiro trimestre de 1942, as SS e as autoridades policiais alemães construíram o centro de extermínio de Sobibor em uma região pantanosa e pouco populada, perto da atual fronteira leste da Alemanha com a Polônia. Em sua maior parte, o campo cobria uma área de 400 x 600 metros [OBS: 24 mil metros quadrados]. Árvores plantadas ao redor do centro camuflavam o local, e todo o campo era cercado por um campo minado de 15 metros de largura. As autoridades de Sobibor consistiam em uma pequena equipe de oficiais da polícia, membros das SS, e uma unidade de noventa a cento e vinte guardas auxiliares, os quais eram ex-prisioneiros de guerra soviéticos ou cidadãos ucranianos e poloneses.

As autoridades do campo começaram as operações regulares da câmara de gás em maio de 1942. Trens com quarenta a sessenta vagões chegavam diariamente à estação ferroviária de Sobibor. Vinte vagões de cada vez entravam na área de recepção no campo, onde os guardas ordenavam que os prisioneiros [OBS: homens, mulheres, crianças] judeus entrassem em uma plataforma e entregassem a eles todos seus pertences. Os alemães levavam os judeus até entrarem em barracas, onde eram forçados a se despir e passar por um "tubo", um caminho estreito e fechado que levava diretamente às câmaras de gás, enganosamente identificadas como area de chuveiros para desinfecção. Quando as portas da câmara de gás eram seladas, os guardas em uma sala adjacente ligavam um motor que bombeava monóxido de carbono para a câmara, asfixiando até a morte todas as pessoas que estavam dentro.

Alguns prisioneiros que eram selecionados para permanecerem vivos e, assim, trabalharem como escravos na remoção dos corpos da câmara de gás e depois jogá-los em enormes covas coletivas. A equipe do campo assassinava periodicamente aqueles prisioneiros e os substituía por outros recém-chegados. No outono de 1942 os oficiais de Sobibor, usando escravos judeus, começaram a exumar as covas coletivas e a queimar os cadáveres em "fornos" ao ar livre, feitos com trilhos de trem. Os alemães também utilizavam uma máquina para moer os fragmentos de ossos e reduzi-los a pó. Aquelas medidas tinham como objetivo ocultar todos os traços de extermínio em massa por eles cometido.

Em 14 de outubro de 1943, os cerca de seiscentos prisioneiros que haviam sobrado no campo iniciaram uma revolta e conseguiram matar onze alemães. Cerca de trezentos daqueles prisioneiros conseguiram escapar, mas cem deles foram posteriormente recapturados. Depois da revolta, os alemães desativaram o centro de extermínio e atiraram nos prisioneiros restantes. No total, os alemães e seus auxiliares assassinaram pelo menos 167.000 pessoas em Sobibor.