Belzec (Artigo Resumido)

Em novembro de 1941, as autoridades alemãs começaram a construir um centro de extermínio no local de um antigo campo de trabalho escravo situado no sudeste da Polônia ocupada. O segundo centro de extermínio alemão, Belzec, iniciou suas operações no dia 17 de março de 1942. Entre março e dezembro daquele mesmo ano, os alemães deportaram aproximadamente 434.500 judeus e um número indeterminado de poloneses cristãos e de ciganos roma para Belzec, onde foram assassinados. A maioria das vítimas era de judeus oriundos dos guetos do sul da Polônia. Os alemães também deportaram judeus alemães, austríacos e tchecos para Belzec.

As autoridades no centro de extermínio consistiam de uma pequena equipe das SS, oficiais da polícia alemã, além de uma unidade de guardas- auxiliares composta por ex prisioneiros de guerra soviéticos e cidadãos ucranianos ou poloneses. Uma trilha estreita, chamada de "tubo", ligava as duas partes do centro de extermínio. O local onde os prisioneiros eram assassinados em massa incluía câmaras de gás e covas abertas. Trepadeiras eram plantadas junto às cercas de arame farpado e, junto com as árvores ao redor do perímetro do campo, impediam a visão das cruéis operações que ocorriam dentro daquele campo.

Trens com 40 a 60 vagões de carga, com 80 a 100 pessoas amontoadas dentro de cada vagão, chegavam à estação ferroviária de Belzec. Eram levados para o campo vinte vagões de cada vez. Os judeus que chegavam recebiam ordem de desembarcar, e as SS e a polícia alemã anunciavam que aqueles judeus deportados haviam chegado a um campo de trânsito, e que deveriam entregar todos os seus pertences às autoridades. Os judeus eram forçados a tirarem suas roupas e passarem pelo "tubo", o qual levava diretamente às câmaras de gás, enganosamente identificadas como chuveiros onde seriam desinfectados. Assim que as portas da câmara eram seladas, era liberado o monóxido de carbono para dentro, asfixiando todas as pessoas que lá estavam. O processo era repetido com os deportados – homens, mulheres e crianças - dos próximos vagões.

Aqueles prisioneiros selecionados para permanecerem vivos como trabalhadores escravos, removiam os corpos da câmara de gás e enterravam as vítimas em covas coletivas. Outros prisioneiros eram forçados a selecionar os pertences das vítimas e a limpar os vagões para a próxima leva de deportados. Os oficiais do campo periodicamente assassinavam aqueles trabalhadores forçados e os substituíam por outros recém-chegados. Em outubro de 1942, as SS e a polícia, usando grupos de prisioneiros judeus, começaram a exumar as covas coletivas em Belzec e a queimar ao ar livre os corpos em "fornos" feitos com trilhos de trem. Os alemães também utilizavam uma máquina para moer os fragmentos dos ossos e reduzi-los a pó. No segundo semestre de 1943 o campo foi desativado. Em junho de 1943, os prisioneiros judeus que estavam em Belzec foram assassinados a tiros ou deportados para o centro de extermínio de Sobibor, para serem mortos nas câmaras de gás. Depois que Belzec foi desativado, os alemães passaram arados sobre o local para eliminar os vestígios de seus crimes. As forças soviéticas tomaram aquela região dos nazistas no mês de julho de 1944.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.