Propaganda (Artigo Resumido)

 

O regime nazista usava muito bem a propaganda para mobilizar o apoio da população alemã às suas guerras de expansão territorial. A propaganda racista e anti-semita foi essencial para motivar os alemães que implementaram o genocídio dos judeus europeus. Serviu também para assegurar o consentimento tácito de outras milhões de pessoas à perseguição racial e ao genocídio dos povos judeus e cigano.

Em 1933, após o nazismo chegar ao poder, Adolf Hitler criou o Ministério do Reich para Esclarecimento Popular e Propaganda, encabeçado por Joseph Goebbels. O objetivo do Ministério era garantir que a mensagem nazista fosse transmitida com sucesso através da arte, da música, do teatro, dos filmes, dos livros, do rádio, dos materiais escolares e da imprensa. Os filmes, em particular, tiveram um papel importante na disseminação do anti-semitismo, da crença na superioridade do poder militar alemão, e na demonização dos inimigos do regime nazista. Aqueles filmes retratavam os judeus como seres "sub-humanos" que se haviam se infiltrado na sociedade ariana para destruí-la. Alguns filmes, tais como O Triunfo da Vontade (1935), de Leni Riefenstahl, exaltavam Hitler e o movimento Nacional Socialista, i.e. nazista. Jornais alemães, principalmente o Der Stürmer (O Atacante/O Agressor), publicavam grosseiras caricaturas anti-semitas para descrever os judeus e destruir a sua condição humana.

Após a invasão alemã da União Soviética, a propaganda nazista enfatizou, tanto para os civis quanto aos soldados, temas que ligavam o comunismo soviético ao judaísmo europeu, criando uma mensagem apocalíptica do que aconteceria à Alemanha caso os soviéticos vencessem a Guerra.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.