Testemunho

Steven Springfield descreve as condições do campo de concentração de Stutthof

Os alemães ocuparam Riga em 1941 e confinaram os judeus em um gueto. No final de 1941, cerca de 28.000 judeus do gueto foram massacrados na floresta de Rumbula, perto de Riga. Steven e seu irmão foram enviados a um pequeno gueto para homens fisicamente capazes. Em 1943, Steven foi deportado para o campo de Kaiserwald e enviado a um campo de trabalho próximo. Em 1944, ele foi transferido para Stutthof e forçado a trabalhar em uma empresa de construção de navios. Em 1945, Steven e seu irmão sobreviveram a uma marcha da morte e foram libertados pelas forças soviéticas.

Transcrição

Após chegarmos a Danzig, quando ouvimos que iríamos para Stutthof, ficamos desesperados porque Stutthof era um campo conhecido por ser um dos piores. Não havia comida. Havia muita brutalidade, muitos extermínios, e quase ninguém conseguia sair de Stutthof. Então, nós três -- meu irmão, meu pai e eu -- fomos enviados para Stutthof e passamos várias semanas lá. Não tenho como descrever as condições em Stutthof. Para qualquer lugar que você olhasse, via pessoas morrendo de fome. Você acordava de manhã e a pessoa ao seu lado estava morta, esquálida. As condições pioravam a cada dia, porque a situação da guerra havia se invertido [os alemães estavam perdendo] e, para piorar o que já era ruim, os covardes alemães descontavam sua raiva nos poucos e indefesos judeus que haviam restado. Já estava claro para eles que estavam perdendo a guerra. Um dia, poucas semanas depois de chegarmos a Stutthof, fomos colocados em fila e um oficial alemão disse que estava procurando voluntários [era mais fácil transportar pessoas que iam por escolha] para trabalhar em uma fábrica alemã que construía navios em Danzig, chamada Schichau-Werft. Meu irmão, meu pai e eu nos oferecemos mas, quando meu pai veio em nossa direção, o oficial alemão notou que ele era deficiente. Ele andava arrastando uma perna, pois havia tido escarlatina quando jovem. Assim que o oficial percebeu, ele falou: "você não pode ir; volte!". Meu irmão e eu começamos a implorar: "ele é nosso pai, nós temos que ir juntos". Só para nos maltratar ainda mais, ele falou: "vocês vão e ele vai ficar aqui". E, mesmo a gente gritando e implorando não adiantou. Fomos chutados, surrados e forçados a deixar nosso pai ali. Ficou claro para mim e meu irmão que assim que meu pai ficasse sozinho em Stutthof, ele seria assassinado pelos alemães. Nós estávamos desesperados, arrasados por ter que deixá-lo lá, porque sabíamos que seria o fim dele, mas não tínhamos escolha. Então, fomos levados de Stutthof à força.


  • US Holocaust Memorial Museum Collection
Ver detalhes arquivísticos

Está página também está disponível em

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.