Mapas Animados

O Gueto de Lodz

O GUETO DE LODZ

As tropas alemãs ocuparam Lodz em setembro de 1939. Aquela cidade possuía a segunda maior população judaica da Polônia no período anterior à Segunda Guerra. No início de fevereiro de 1940, os alemães criaram um gueto no local, e nele concentraram mais de 150.000 judeus em uma area de apenas 3.885 quilômetros quadrados. Entre os anos de 1941 e 1942, mais de quarenta mil judeus da Europa central e cinco mil ciganos (Romanis) também foram forçados a viver no gueto, já super-lotado. Entre os meses de janeiro e setembro de 1942, mais de 75 mil judeus daquele local foram deportados para o campo de extermínio de Chelmno. Na primavera de 1944, o gueto de Lodz era o ultimo a existir na area da Polônia ocupada pela Alemanha. Durante o verão daquele mesmo ano, os nazistas deportaram os judeus remanescentes, a maior parte deles para serem assassinados em Auschwitz.

Transcrição

Trancrição

A cidade industrial de Lodz está localizada a cerca de 120 quilômetros ao sudoeste de Varsóvia. Com uma população judaica de aproximadamente 220.000 indivíduos, aquela cidade possuía a segunda maior população judaica da Polônia no período anterior à Segunda Guerra

Os alemães ocuparam Lodz uma semana após invadirem a Polônia no dia 1 de setembro de 1939.

Em fevereiro de 1940, os nazistas estabeleceram um gueto na seção nordeste daquela cidade. Mais de 150 mil judeus foram forçados a se mudar para aquela area, a qual foi selada em abril de 1940.

Mordechai Chaim Rumkowski foi designado pelos nazistas como chefe do conselho judaico local. Obrigados a implementarem ordens dos alemães, os membros daqueles conselhos enfrentavam terríveis dilemas morais.

Rumkowski organizou a população do gueto como força-de-trabalho para as manufaturas alemãs criadas no local.

Ele acreditava que caso tornasse o trabalho dos judeus essencial para a produção da Alemanha, eles conseguiriam prevenir a destruição dos habitantes locais.

Entre 1941 e 1942, cerca de 40 mil judeus de toda a Europa central foram deportados para o gueto de Lodz. Cinco mil ciganos (Romanis) austríacos também foram levados e presos naquele local, confinados em uma área segregada.

O trabalho extremamente pesado, a super-população e a fome eram aspectos dominantes da vida cotidiana dos prisioneiros. Mais de 20% da população total morreu como resultado direto das terríveis condições-de-vida.

Em janeiro de 1942, os alemães iniciaram deportações em larga escala dos judeus do gueto de Lodz para o centro de extermínio de Chelmno, a 72 quilômetros a oeste.

Os judeus eram concentrados em determinados pontos do gueto e colocados à força dentro de trens super-lotados.

No final de setembro de 1942, mais de 70 mil judeus e cerca de 5 mil ciganos (Romanis) foram deportados para Chelmno, onde a maior parte foi morta por asfixia em vans herméticamente seladas.

Entre setembro de 1942 e maio de 1944, não houve maiores deportações do gueto de Lodz, o qual mais parecia um grande campo de trabalho [escravo].

A maioria dos prisioneiros no gueto trabalhava em fábricas alemãs, e apenas recebia míseras rações para sobreviver.

Na primavera de 1944, os alemães decidiram destruir o gueto, na época o único ainda a existir na Polônia. As deportações para o campo de extermínio de Chelmno foram retomadas em junho e julho de 1944.

Os alemães completaram a destruição do gueto com a deportação de cerca de 75 mil judeus, dentre eles Rumkowski, para serem assassinados em Auschwitz-Birkenau.

As forças soviéticas liberaram Lodz em janeiro de 1945. Durante o período de sua existência, mais de 200 mil judeus e cinco mil ciganos lá foram aprisionados.

Menos de mil judeus conseguiram sobreviver naquele gueto, seja por haverem conseguido se esconder ou por haverem sido levados para unidades de trabalho escravo.


Tags


  • US Holocaust Memorial Museum

Share This