Os Estados Unidos e o Holocausto (Artigo Resumido)

Durante a Segunda Guerra Mundial, o resgate de judeus e de outras vítimas dos nazistas não era uma prioridade para o governo dos Estados Unidos. Devido em parte ao anti-semitismo (preconceito ou ódio dos judeus), ao isolacionismo, à crise econômica e à xenofobia (preconceito ou medo de estrangeiros), a política norte-americana dificultou para os refugiados a obtenção de vistos de entrada para os Estados Unidos. O Departamento de Estado Norte-Americano também atrasou a divulgação das notícias do genocídio. Em agosto de 1942, o Departamento de Estado recebeu um telegrama revelando os planos nazistas para assassinar os judeus europeus mas a notícia não foi passada a seu destinatário, o líder judeu norte-americano Stephen Wise. O Departamento de Estado "aconselhou" a Wise, que havia recebido a mesma notícia através de fontes britânicas quase que simultaneamente ao governo dos EUA, que se abstivesse de divulgá-las.

Os Estados Unidos falharam em agir decisivamente em relação ao resgate das vítimas do Holocausto. Em 19 de abril de 1943, representantes americanos e britânicos se reuniram nas Bermudas para buscar soluções para os problemas dos refugiados da Guerra. Nenhuma proposta significante surgiu daquele encontro. Naquele mesmo ano, o emissário da resistência polonesa, Jan Karski, informou diretamente ao presidente americano Franklin D. Roosevelt sobre os assassinatos em massa que ocorriam na Europa sob o nazismo. Mesmo assim, até 1944, as autoridades norte-americanas não iniciaram nenhuma ação para resgatar os refugiados. A ajuda só começou depois que Roosevelt estabeleceu a American War Refugee Board (Comissão Norte-Americana para Refugiados de Guerra). Mas era tarde. Quatro quintos dos judeus que morreriam até o fim do Holocausto já estavam mortos. Na primavera europeia de 1944, os Aliados tomaram conhecimento das operações de extermínio por meio de gás letal no campo de Auschwitz-Birkenau. Alguns líderes judeus imploraram, sem sucesso, aos membros do governo norte-americano para que dessem ordens para bombardear as câmaras de gás e os trilhos da rede ferroviária que levava os prisioneiros para a morte naquele campo. Os funcionários do governo norte-americanos argumentaram que suas aeronaves não tinham capacidade para conduzir ataques aéreos de forma precisa, e que os Aliados estavam comprometidos exclusivamente com o bombardeio de alvos militares para vencer a Guerra o mais rapidamente possível.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.