<p>Vista de parte da cerca de arame farpado e de barracões de prisioneiros em Auschwitz, na época da liberação daquele campo. Auschwitz, Polônia, janeiro de 1945.</p>

Auschwitz

Auschwitz Auschwitz foi criado próximo a Cracóvia, na Polônia, sendo o maior complexo de campos de prisioneiros estabelecido pelos alemães. Nele se localizavam um campo de concentração, um de extermínio, e outro de trabalho escravo, constituindo o conjunto do complexo de Auschwitz: Auschwitz I, Auschwitz II (Birkenau) e Auschwitz III (Monowitz). Mais de um milhão de pessoas morreram em Auschwitz, e nove entre cada dez vítimas era judia. As quatro maiores câmaras de gás daquele local comportavam, cada uma, 2.000 pessoas para serem mortas por axfixiamento, podendo assim assassinar 8.000 pessoas em pouquíssimo tempo.

Uma placa na entrada do campo dizia: “ARBEIT MACHT FREI”, que significa “o trabalho liberta”. Na realidade, o que acontecia era o oposto. O trabalho se tornou outra forma de genocídio, chamada pelos nazistas de “extermínio por meio do trabalho”.

Ao serem selecionadas para “trabalhar”, as vítimas poupadas do extermínio imediato eram imediatamente privadas de sua identidade individual. Suas cabeças eram raspadas e um número de registro era logo tatuado nos seus braços esquerdos, como se fossem objetos. Os homens tinham que usar um tipo de pijama, calças e casacos listrados, esfarrapados, e as mulheres usavam uniforme de trabalho. Ambos recebiam calçados de trabalho inadequados, às vezes tamancos. Eles dormiam com as mesmas roupas que trabalhavam, pois não tinham outras.

Cada dia era uma luta pela sobrevivência em condições insuportáveis. Os prisioneiros eram alojados em barracões primitivos que não tinham janelas nem isolamento do frio ou do calor. Não havia banheiros, apenas um balde. Cada barracão continha cerca de 36 beliches de madeira, e cinco ou seis prisioneiros eram espremidos em cada estrado. O número de prisioneiros alojados em um único barracão
chegava a 500. Eles viviam constantemente com fome. A comida era uma sopa aguada feita com carne e vegetais podres, alguns pedaços de pão, um pouco de margarina, chá ou uma bebida amarga que parecia café. Era comum os prisioneiros terem diarréia. As pessoas, enfraquecidas pela desidratação e inanição, tornavam-se facilmente vítimas de doenças contagiosas que se espalhavam pelo campo.

Alguns prisioneiros tinham que trabalhar na manuteção do campo, na cozinha ou na barbearia, por exemplo. As mulheres normalmente trabalhavam organizando as pilhas de sapatos, roupas e outros pertences que haviam sido retirados dos prisioneiros que chegavam constantemente, e os pertences pessoais de qualidade eram enviados à Alemanha para lá serem usados. Os depósitos de Auschwitz-Birkenau, localizados próximo a dois dos crematórios [locais onde se reduziam as pessoas a cinzas], eram chamados de “Canadá”, porque os poloneses consideravam aquele país como um lugar de muitas riquezas. Em Auschwitz, assim como em centenas de outros campos do Reich e da Europa ocupada, onde os alemães usavam trabalhadores escravos, os prisioneiros também eram empregados fora dos campos, em minas de carvão, pedreiras e em projetos de construção, cavando túneis e canais. Sob guarda armada, sem qualquer proteção contra o frio, eles removiam com pás a neve das estradas e escombros das ruas e cidades atingidas por bombardeios aéreos. Um grande número de trabalhadores forçados acabou sendo usado em fábricas, na produção de armas e outros produtos para os esforços de guerra alemães. Muitas empresas privadas, como a I. G. Farben e a Bavarian Motor Works (BMW), que produzia motores para automóveis e aviões, buscavam avidamente prisioneiros para usá-los como mão-de-obra escrava.

Fugir de Auschwitz era praticamente impossível. Cercas de arame farpado, eletrificadas, cercavam o campo de concentração e o centro de extermínio. Havia guardas equipados com metralhadoras e rifles automáticos no alto das muitas torres de vigia. A vida dos prisioneiros era totalmente controlada pelos guardas que, por puro capricho, podiam aplicar duros castigos a eles. Os prisioneiros também eram maltratados por colegas que eram escolhidos por guardas para supervisionar outros em troca de favores especiais.

“Experiências médicas” cruéis foram realizadas em Auschwitz. Homens, mulheres e crianças foram usados como cobaias. Dr. Josef Mengele, médico da SS, realizou experiências dolorosas e traumáticas em anões e gêmeos, incluindo crianças pequenas. O objetivo de algumas experiências era descobrir tratamentos médicos melhores para os soldados e aviadores alemães; outras experiências tinham como objetivo aperfeiçoar os métodos de esterilização daqueles a quem os nazistas consideravam inferiores. Muitas pessoas morreram durante essas experiências, outros foram mortos após a “pesquisa” ser concluída e seus órgãos removidos para outros estudos.

A maioria dos prisioneiros de Auschwitz sobrevivia por poucas semanas ou meses. Aqueles que estavam muito doentes ou fracos para trabalhar eram condenados à morte nas câmaras de gás. Alguns cometeram suicídio se atirando contra as cercas eletrificadas. Outros pareciam cadáveres ambulantes, com o corpo e o espírito destruídos. Porém, alguns prisioneiros estavam determinados a sobreviver.

DATAS IMPORTANTES

20 DE MAIO DE 1940
INAUGURAÇÃO DE AUSCHWITZ I

Auschwitz I, o principal campo do complexo de Auschwitz, foi a primeira das unidades a serem estabelecidas, nas proximidades da cidade polonesa de Oswiecim. Sua construção teve início em maio de 1940, em um quartel de artilharia usado anteriormente pelo exército polonês na região de Zasole, subúrbio de Oswiecim. O campo foi se expandindo continuamente por meio de trabalho escravo. Embora Auschwitz I fosse principalmente um campo de concentração usado como penitenciária, ele também comportava uma câmara de gás e um crematório. A câmara improvisada estava localizada no porão da prisão (Bloco 11). Mais tarde, uma câmara de gás fixa foi construída dentro do crematório.

8 DE OUTUBRO DE 1941
INÍCIO DA CONSTRUÇÃO DE AUSCHWITZ II (BIRKENAU)

Data de início da construção de Auschwitz II, ou Auschwitz-Birkenau, em Brzezinka. Dos três campos estabelecidos próximos a Oswiecim, como parte do complexo de Auschwitz, o de Auschwitz-Birkenau era o que abrigava o maior número de escravos. Ele foi dividido em nove setores, separados entre si por cercas de arame farpado, eletrificadas, e era vigiado por cães e guardas das SS. O campo incluía setores para mulheres, homens, romanis (ciganos) e famílias deportadas do gueto de Theresienstadt. Auschwitz-Birkenau exercia um papel fundamental no plano alemão para exterminar os judeus da Europa. Entre maio e junho de 1943 foram construídos quatro grandes prédios para cremação de prisioneiros, cada um com três componentes: uma área onde os prisioneiros se despiam, uma grande câmara de gás para assassiná-los por asfixia, e os fornos crematórios propriamente ditos. As operações com gás continuaram até novembro de 1944.

OUTUBRO DE 1942
ABERTURA DE AUSCHWITZ III

Os alemães estabeleceram Auschwitz III, também chamado de Buna ou Monowitz, em Monowice, para fornecer escravos para a fábrica de borracha sintética de Buna (parte do conglomerado de indústrias alemães I.G. Farben). A I.G. Farben investiu mais de 700 milhões de Reichsmarks (aproximadamente $ 1.400.000 dólares, em valores de 1942) em Auschwitz III. Em Auschwitz I, aqueles que eram escolhidos para o trabalho forçado eram registrados e tatuados no braço esquerdo com um número de identificação, e em seguida eram enviados para o trabalho forçado no complexo de campos de Auschwitz ou em um dos muitos subcampos de Auschwitz III.

27 DE JANEIRO DE 1945
O EXÉRCITO SOVIÉTICO LIBERTA O COMPLEXO DE CAMPOS DE AUSCHWITZ

Data em que o exército soviético entrou em Auschwitz e libertou alguns milhares de prisioneiros que ainda lá estavam. Pouco antes de sua chegada, quase 60.000 prisioneiros, a maioria judeus, foram levados em uma marcha da morte pelos alemães para que não sobrevivessem. Durante a evacuação forçada de Auschwitz, os prisioneiros eram brutalmente maltratados e muitos foram assassinados. Os guardas das SS atiravam em qualquer pessoa que não conseguisse reunir forças para andar na marcha da morte e ficasse para trás. Durante o curto período de atividades de Auschwitz (20 maio de 1940 a 27 de janeiro de 1945), aproximadamente um milhão de judeus, 70.000 a 74.000 poloneses, 21.000 romanis (ciganos), e cerca de 15.000 prisioneiros de guerra soviéticos lá foram foram trucidados pelos alemães.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.