Period postcard of Evian-les-Bains, the site of the 1938 International Conference on Refugees.

A Conferência de Evian

A Conferência de Evian Entre 1933 e 1941, os nazistas tentaram fazer com que a Alemanha se tornasse judenrein (limpa dos judeus). Como estratégia, dificultavam ao máximo a vida dos judeus para que eles fossem obrigados a deixar o país. Até 1938, cerca de 150.000 judeus alemães, um em cada quatro, já haviam fugido da Alemanha. No entanto, depois que a Alemanha anexou a Áustria ao seu império, em março de 1938, outros 185.000 judeus foram submetidos ao regime nazista. Muitos não conseguiram encontrar países dispostos a abrigá-los.

Vários judeus alemães e austríacos tentaram emigrar para os Estados Unidos, mas não conseguiram obter vistos de entrada. Mesmo com as notícias sobre os violentos pogroms de novembro de 1938 sendo amplamente divulgadas, os americanos permaneceram relutantes em abrigar refugiados judeus. Durante a Grande Depressão, muitos americanos acreditavam que os refugiados representariam concorrência para as ofertas de emprego e que os programas sociais estabelecidos para ajudar os necessitados ficariam sobrecarregados.

O Congresso definiu cotas de imigração em 1924 que limitavam o número de imigrantes e discriminava grupos considerados racial e etnicamente indesejáveis. Essas cotas permaneceram em vigor mesmo depois que o presidente Franklin D. Roosevelt, respondendo à crescente pressão política, convocou uma conferência internacional para discutir o problema dos refugiados.

No verão de 1938, representantes de 32 países se reuniram na região francesa de Evian. Roosevelt decidiu não enviar um oficial do alto escalão à Conferência de Evian, como por exemplo o Secretário de Estado, em vez disso, os EUA foi representado por Myron C. Taylor, empresário e amigo pessoal do presidente. Durante o encontro que durou nove dias, os representantes se levantavam para expressar sua simpatia para com os refugiados. Mas a maioria dos países, incluindo Estados Unidos e Reino Unido, se desculpou por não permitir a entrada de mais refugiados.

Em resposta à Conferência de Evian, o governo alemão declarou com grande prazer que era “espantoso” o fato de os países estrangeiros criticarem a Alemanha por seu tratamento aos judeus, porém, nenhum deles se dispor a abrir suas portas quando “a oportunidade se faz disponível”.

Os esforços de alguns americanos para resgatar crianças também falharam: o projeto de lei Wagner-Rogers, uma iniciativa para admitir 20.000 crianças judias em perigo, não teve o apoio do Senado em 1939 e 1940. O preconceito racial difundido entre os americanos, incluindo atitudes antissemitas por parte dos oficiais do Departamento de Estado norteamericano, teve seu papel no fracasso do esforço em aceitar outros refugiados.

DATAS IMPORTANTES

6 A 15 DE JULHO DE 1938
CONFERÊNCIA EM EVIAN SOBRE A QUESTÃO DOS REFUGIADOS

Representantes de 32 países e de organizações humanitárias reuniram-se em Evian-les-Bains, uma estância termal na França, para discutir a situação dos judeus alemães refugiados. Os Estados Unidos encorajaram todos os países a buscarem uma solução permanente para o problema mas, no entanto, os próprios Estados Unidos e os demais países presentes não estavam dispostos a atenuar suas políticas de imigração para facilitar o recebimento de refugiados do nazismo. A maioria temia que o aumento no número de imigrantes em seus países causaria um aumento nas dificuldades econômicas que passavam. A Conferência teve a duração de uma semana, e com exceção de um pequeno país, a República Dominicana, nenhum outro aceitou abrigar mais refugiados. O resultado positivo da conferência foi o estabelecimento do Comitê Intergovernamental para Refugiados (ICR), que continuaria a ldar com o problema.

9 DE FEVEREIRO DE 1939
PROJETO DE LEI PARA AUXÍLIO A REFUGIADOS É APRESENTADO AO CONGRESSO NORTE-AMERICANO

O projeto de lei de ajuda a refugiados, entitulado Wagner-Rogers, foi apresentado ao Senado dos Estados Unidos pelo senador do Partido Democrata de Nova York, Robert F. Wagner. Aquela proposta solicitava que os Estados Unidos admitissem 20.000 crianças alemãs refugiadas com menos de 14 anos de idade por um período de dois anos, além das imigrações normalmente permitidas. O projeto de lei foi apresentado à Câmara dos Deputados dos EUA pela deputada republicana de Massachusetts, Edith Nourse Rogers, cinco dias mais tarde. Entidades filantrópicas em todo o país divulgaram a difícil situação das crianças alemãs refugiadas, em uma tentativa de obter apoio para o projeto de lei. No entanto, diversas organizações a favor de restrições à imigração foram taxativamente contra aquele projeto, declarando que os pequenos refugiados poderiam vir a privar de auxílio às crianças norte-americanas. Após vários meses de debates, o projeto de lei foi rejeitado pelos congressistas. Caso ele houvesse sido aprovado, os EUA teriam salvo milhares de crianças judias alemãs perseguidas pelos nazistas.

MAIO DE 1939
GOVERNO BRITÂNICO RESTRINGE IMIGRAÇÃO À ÁREA SOB SEU MANDATO NO ORIENTE MÉDIO

Em 1936, uma revolta árabe contra o Mandato Britânico no Oriente Médio [OBS: concedido pela Liga das Nações à Grã-Bretanha em 1922, para que tomasse conta da área destinada à criação de um Estado Judeu], bem como a contínua inquietação árabe em relação ao status dos judeus que viviam naquela região, levaram a uma mudança decisiva na política britânica para o Oriente Médio. No White Paper de 1939 [documento de políticas britânicas para a região], o governo britânico anunciou sua política para o futuro de seu Mandato. Os britânicos rejeitaram o estabelecimento de um estado judaico independente e restringiram rigidamente a imigração de judeus àquela área. Em resposta à política britânica, a imigração ilegal de refugiados judeus à Palestina aumentou [OBS: tanto judeus quanto árabes do local eram conhecidos como “palestinos”]. Os britânicos passaram a interceptar os imigrantes “ilegais” e a interná-los em campos de prisioneiros. Durante a Guerra, não houve nenhuma tentativa para atenuar a política de imigração, fazendo com que milhões de judeus não pudessem escapar do terror nazista. As restrições à imigração judaica permaneceram em vigor até o estabelecimento do Estado de Israel, em 1948.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.