Testemunho

Agnes Mandl Adachi descreve os esforços de Raoul Wallenberg para salvar os judeus da deportação

Em 1939 Agnes estava na Suíça para estudar francês, e ela retornou a Budapeste em 1940. Depois que os alemães ocuparam a Hungria em 1944, Agnes recebeu refúgio na embaixada sueca. Ela, então, começou a trabalhar para o diplomata sueco Raoul Wallenberg que efetuava grandes esforços para salvar os judeus de Budapeste, inclusive distribuindo salvo-condutos (Schutzpaesse). Quando os soviéticos invadiram Budapeste, Agnes decidiu ir para a Romênia. Após a guerra ela foi para a Suécia e depois para a Austrália, antes de, finalmente, mudar-se para os Estados Unidos.

Transcrição

Raoul foi atrás daquelas pessoas até a fronteira austríaca Em uma dessas viagens, ele carregava um grande caderno preto; Per Anger o acompanhou nessa viagem. No caminho para a estação de trem, ele parou e gritou para os nazistas, em alemão, ele falava alemão perfeitamente: "Como ousam prender nosso povo, são todas pessoas protegidas", e "Todas as pessoas que têm documentos emitidos por mim voltem". Lá estava uma das minhas grandes amigas, vive aqui agora, e ela pensou que o máximo que poderia acontecer é que a matassem. Ela então caminhou na direção a Raoul. Ela não tinha nenhum documento, nem a irmã e nem a mãe dela tinham. Ele gritou, "Subam no trem". Isso mesmo. Então, ele abriu seu caderno preto e começou a ler os nomes muito rapidamente, como uma metralhadora. As pessoas que ainda conseguiam andar começaram a se aproximar e e a embarcar, mesmo aqueles que não tinham sido chamados. E ele os tirou de lá, milhares de pessoas voltaram para Budapeste, para abrigos seguros. E no caminho Per Anger disse: "Raoul, eu não sabia que a gente tinha esse caderno preto e que você tinha anotado todos estes nomes. Quando você fez isso?" E Raoul começou a gargalhar e disse: "Venha ver quantos nomes têm neste caderno", e ele abriu o caderno e não havia nenhum nome. Nada. Mas essa era a idéia dele. Ele tinha que fazer alguma coisa. Ele tinha que salvar as pessoas. E, da mesma forma, ele carregava carteiras de motorista e, e, e , documentos de seguro, qualquer coisa que ele achasse escrito em húngaro, e que os alemães não conseguissem entender. E ele levou tudo isso para o trem, exigiu que abrissem as portas e gritou para as pessoas "Eu tenho seus documentos aqui. Saia Sr. fulano". E isso para algumas pessoas, sabe [entenderam a mensagem] "É.. talvez a gente possa fugir". E, e ele dava os documentos para as pessoas...alguns pegaram os Schutzpass [salvo-condutos] que não tinham seus nomes, mas naquela situação... quem ia ligar para isso, e documentos de seguro e de impostos, tudo. E ele tirou muita gente de lá.


Tags


  • US Holocaust Memorial Museum Collection
Ver detalhes arquivísticos

Dividir

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.