Joseph Goebbels, the Nazi minister of propaganda, speaks at a rally in favor of the boycott of Jewish-owned shops. [LCID: 44203]

Propaganda e Censura Nazistas

Propaganda e Censura Nazistas Assim que conseguiram acabar com a democracia e transformar a Alemanha em ditadura de um único partido, os nazistas orquestraram uma intensa campanha de propaganda para conquistar a lealdade e cooperação de todos os alemães. O Ministério da Propaganda Nazista, dirigido pelo Dr. Joseph Goebbels, assumiu o controle de todos os meios de comunicação alemães: jornais, revistas, livros, exposições artísticas, músicas, filmes, rádio, reuniões públicas e comícios. As ideias que, os nazistas acreditassem que de alguma maneira ameaçassem o regime ou as convicções nazistas eram censuradas ou excluídas da mídia.

Durante a primavera de 1933, organizações estudantis, professores e bibliotecários nazistas elaboraram longas listas de livros que eles acreditavam serem impróprios para os alemães. Tendo isto em mãos, na noite de 10 de maio de 1933, por toda a Alemanha, os nazistas invadiram bibliotecas e livrarias e levaram para as ruas os livros censurados. Eles marcharam com tochas acesas, em passeata noturna, cantando hinos nazistas e queimando os trabalhos em imensas fogueiras. Naquela noite, mais de 25.000 livros foram queimados. Alguns eram obras de escritores judeus, incluindo Albert Einstein e Sigmund Freud, a maioria dos livros era de autoria de não-judeus, incluindo americanos famosos como Jack London, Ernest Hemingway e Sinclair Lewis. Para os nazistas, já aqueles escritores pensavam de forma diferente da deles, não deveriam ser lidos.

Os censores nazistas também queimaram livros escritos por Helen Keller, autora que superou sua deficiência auditiva e visual tornando-se uma escritora respeitada. Ao ser informada sobre a queima de seus livros, Helen respondeu: “A tirania não pode derrotar o poder das ideias”. Em comícios públicos em Nova York, Filadélfia, Chicago e St. Louis, centenas de milhares de pessoas nos Estados Unidos protestaram contra aquela queima de livros, acusando as autoridades nazistas de uma clara violação do direito de expressão.

As escolas também tiveram um papel importante na disseminação das ideias nazistas. Ao mesmo tempo em que alguns livros foram retirados das salas de aula pelos censores, outros, recém escritos por autores nazistas, foram introduzidos para ensinar os estudantes a obedecerem incondicionalmente o Partido, cultivarem o anti-semitismo, e amarem a Hitler. Após as aulas, as reuniões da Juventude Hitlerista e da Liga das Moças Alemãs treinavam as crianças para serem fiéis ao Partido Nazista. Dentro e fora das escolas, os jovens celebravam ocasiões como o aniversário de Adolf Hitler e a data de sua ascensão ao poder

DATAS IMPORTANTES

5 DE DEZEMBRO DE 1930
JOSEPH GOEBBELS INTERROMPE ESTREIA DE FILME EM BERLIM

Em Berlim, Joseph Goebbels, um dos mais importantes representantes de Adolf Hitler, juntamente com membros das Tropas de Choque (SA) nazistas, interrompeu a estreia de "Sem Novidade no Front", um filme baseado no romance do mesmo nome, de autoria de Erich Maria Remarque. Protestantes nazistas jogaram bombas de fumaça e pós de conteúdo irritante às vias respiratórias dentro da sala de exibição, fazendo com espectadores espirrassem sem parar, com o objetivo de interromper a sessão cinematográfica. Aqueles que protestaram contra a interrupção foram agredidos. O romance já era bem conhecido e irritava os nazistas, que acreditavam que a representação da crueldade e absurdo das guerras não condiziam com o “ideal alemão”. O filme foi banido e, em 1931, Erich Maria Remarque emigrou para a Suíça, e após assumirem o poder, em 1938, os nazistas revogaram sua cidadania alemã.

13 DE MARÇO DE 1933
JOSEPH GOEBBELS PASSA A CHEFIAR O MINISTÉRIO DA PROPAGANDA DO REICH

Joseph Goebbels, um dos companheiros mais confiáveis de Adolf Hitler, foi nomeado ministro do Reich [império nazista alemão] para Esclarecimento Popular e Propaganda. Aquele ministério controlava a produção e transmissão de todos os tipos de mídia, tais como jornais, programas de rádio e filmes, e também todo tipo de entretenimento público e programas culturais, tais como teatro, arte e música. Goebbels inseriu o racismo e os ideais nazistas em todos os meios de comunicação.

10 DE MAIO DE 1933
JOSEPH GOEBBELS DISCURSA DURANTE QUEIMA DE LIVROS EM BERLIM

Quarenta mil pessoas se reuniram para ouvir o ministro da propaganda Joseph Goebbels discursar na Praça da Ópera, em Berlim. Goebbels condenou obras escritas por judeus, liberais, esquerdistas, pacifistas, estrangeiros e demais não-nazistas como sendo “não-alemãs”. Com tudo previamente combinado, estudantes nazistas iniciaram uma grande queima de tais livros. Os livros “censurados” foram excluídos dos acervos de bibliotecas em toda a Alemanha. Goebbels proclamou, então, a “purificação do espírito alemão”.

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.