<p>Tropas das SS levam um grupo de poloneses para serem executados em uma floresta perto de Witaniow.  Witaniow, Polônia, Outubro-Novembro de 1939.</p>
Questão de discussão

O Que a Guerra Torna Possível?

A perseguição aos judeus e a outros grupos específicos já era parte da política do governo desde que os nazistas chegaram ao poder em 1933. Porém, após a invasão da Polônia pela Alemanha, em 1º de setembro de 1939, a guerra proporcionou a oportunidade e a motivação para políticas nazistas mais extremadas.

O 80º aniversário do início da Segunda Guerra Mundial oferece a todos uma oportunidade para se refletir sobre questões fundamentais quanto à função da guerra. Quais alternativas foram geradas pela eclosão da Segunda Guerra Mundial?

 

Veja artigos relacionados para obter o contexto referente a essa discussão.

Mais informações sobre esta imagem

A Segunda Guerra Mundial começou na Europa no dia 1º de setembro de 1939, quando a Alemanha invadiu a vizinha Polônia. A Guerra ofereceu oportunidades e desafios à liderança nazista, criando as condições necessárias para colocar sua ideologia em prática, sob o disfarce de uma luta pela sobrevivência nacional em uma área geográfica mais extensa, uma luta que muitos alemães acreditavam ter sido imposta à Alemanha pelos judeus e por potências estrangeiras hostis [após a Primeira Guerra Mundial]. A guerra permitiu que a Alemanha nazista elevasse sua ideologia racista a um outro nível de crueldade. Seus propagandistas mostravam a invasão da Polônia como uma medida defensiva, necessária para defender a Alemanha de seus inimigos. 

A ideologia ou crenças nazistas eram baseadas em formas extremadas de racismo e antissemitismo. Dentre os objetivos da ideologia racial nazista estavam a criação de uma "comunidade do povo" definida em termos raciais; a expansão do seu território, através da conquista do que denominavam como "espaço vital" (Lebensraum) [para a Alemanha]; e a derrota dos inimigos da Alemanha, internos e externos. Os nazistas viam os judeus como uma ameaça existencial ao povo alemão e também como seus principais inimigos raciais.

A Polônia sofreu um processo brutal de ocupação pela Alemanha, e os nazistas fizeram todo o possível para destruir a nação polonesa. Para alcançar tal objetivo, eles buscaram destruir qualquer pessoa que eles imaginassem resistir ao domínio alemão ou tentasse manter viva a cultura polonesa. A polícia alemã, as SS, as unidades do exército e as milícias locais, formadas por pessoas de origem alemã, assassinaram a tiros milhares de poloneses, judeus e não-judeus, dentre eles padres católicos, líderes políticos, professores de escolas primárias e secundárias, prisioneiros de guerra e reféns-de-guerra. Os alemães também impuseram trabalho forçado à população polonesa, incorporaram seu território ao Reich alemão, confiscaram seus alimentos e outros bens, ao mesmo tempo em que saqueavam ou destruíam os bens culturais daquela nação, incluíndo bibliotecas, obras de arte e arquivos diversos.

A maior parte das pessoas que os alemãers e seus colaboradores iriam eventualmente assassinar caiu sob seu controle através de vitórias militares alemãs. Na Polônia ocupada, os funcionários nazistas passaram a ter uma grande população judaica sob seu controle. Os nazistas tinham a resolução da "questão judaica" como um de seus maiores objetivos. Com a guerra, isto tornou-se um objetivo bélico, mas os meios para tal ainda não estavam claramente delineados. Quase 2 milhões dos 3,3 milhões de judeus que viviam na Polônia antes da guerra passaram a viver em territórios ocupados pelos alemães. Outros 1,3 milhões vivam em áreas ocupadas pela então União Soviética, sob os termos do Pacto Têuto-Soviético de agosto de 1939, o qual facilitou a invasão. Nos anos seguintes, sob a cobertura da guerra, eles forçaram os judeus a viverem em guetos super-lotados, impediam que eles tivessem acesso a alimentos e remédios, e os usavam para o trabalho escravo. Eventualmente, a alemanha decidiu efetuar o assassinato em massas de todos os judeus na Europa, um programa que eles jamais poderiam ter implementado sem a guerra. 

Onde quer que Hitler pise não há esperanças para o povo judeu. Hitler, que seu nome seja apagado da memória da humanidade, ameaçou em um de seus discursos que, caso a guerra aconteça, os judeus da Europa serão exterminados. Os judeus compreendem e sentem tudo o que está esperando por eles onde quer que os exércitos de Hitler façam uma conquista temporária. — Diário de Chaim Kaplan, 1º de setembro de 1939.

O contexto da guerra também deu aos líderes nazistas a  oportunidade para "limpar" a "comunidade do povo" através do assassinato sistemático de alemães que possuíam deficiências físicas e mentais, os quais os nazistas viam como uma mancha genética sobre a raça alemã e como um desperdício dos recursos que a nação necessitava para a guerra. Em uma nota secreta, datada de 1º de setembro de 1939, usando a guerra como pretexto, Hitler autorizou o estabelecimento do Programa de Eutanásia. O discurso dos líderes nazistas sobre "eutanásia" ou "morte misericordiosa" encobria o fato de que a operação clandestina era um programa de assassinato em massa de pacientes com problemas físicos e mentais institucionalizados. As vítimas eram transportadas das instituições que tratavam de sua saúde mental, e de outras instituições de cuidados físicos, para centros especiais de "eutanásia" equipados com câmaras de gás disfarçadas como banheiros onde os chuveiros dispersavam os gases venenosos.

Utilizando a desculpa de necessitar medidas especiais de segurança em tempo de guerra, o sistema de campos foi expandido para os territórios ocupados. As SS, as unidade da polícia, e o exército alemão perseguiam sem piedade quaisquer indivíduos ou grupos que eles acreditavam ser uma ameaça para o povo alemão.  Ciganos Roma e Sinti, Testemunhas de Jeová, combatentes da resistência de toda a Europa, desertores alemães ou soldados que violavam os regulamentos, criminosos comuns, trabalhadores escravos que não produziam o suficiente, delinquentes juvenis, homossexuais — todos estes grupos tornaram-se alvos nazistas. Milhões de outros indivíduos, os quais os alemães sequer acusavam de qualquer tipo de crime foram, mesmo assim, levados para o trabalho escravo.

A Segunda Guerra Mundial e as duras políticas de ocupação alemã criaram o clima, a oportunidade e o racional que impulsionaram os líderes nazistas, civis e militares, em Berlim e no campo, a adotarem políticas cada vez mais radicais e criminosas. O assassinato em massa dos judeus, apoiado por colaboradores locais dos nazistas, começou com a invasão da União Soviética em 1941 e muito rápidamente se transformou no genocídio dos judeus da Europa. No final de 1942, 4 milhões de judeus já haviam sido mortos. No Dia D, os judeus assassinados já somavam 5 milhões de indivíduos. O Holocausto só terminou quando os soldados dos Países Aliados derrotaram a Alemanha nazista.

O genocídio dos judeus europeus, bem como o assassinato e a exploração de outros grupos também perseguidos, não poderiam ter acontecido sem a Segunda Guerra Mundial e sem os sucessos militares iniciais da Alemanha.

 

 

 

Continue Lendo

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.