Testemunho

Gerda Haas descreve o reencontro com seu pai nos Estados Unidos, depois da Guerra

Gerda cresceu em uma família religiosa na pequena cidade de Ansbach, Alemanha, onde seu pai era um açougueiro que atendia a comunidade judaica. Ela freqüentou escolas alemãs até 1936, quando se mudou para Berlim para estudar em uma instituição de ensino judaica. Ela voltou para sua cidade natal após a Noite dos Cristais, em novembro de 1938. Sua família foi obrigada a se mudar para Munique, e em julho de 1939, seu pai partiu para a Inglaterra e de lá para os Estados Unidos. Ele não conseguiu levar sua família junto. Gerda mudou-se para Berlim em 1939 para estudar enfermagem, e lá ela trabalhou no hospital judaico por dois anos. Sua mãe foi deportada para Riga, na Letônia, e sua irmã, também enfermeira, foi transportada para Auschwitz; nenhuma delas sobreviveu à Guerra. Em 1943, Gerda foi enviada para o gueto de Theresienstadt, onde continuou trabalhando como enfermeira. Ela partiu para a Suíça em fevereiro de 1945, e reencontrou seu pai nos Estados Unidos em abril de 1946.

Transcrição

Vamos ver, ele foi embora em 39, e só o vi novamente em ... 46...em abril de 46, e foi muito estranho. Vim de barco, e cheguei, hum, acho que foi na Páscoa judaica, durante os feriados de Pessach. Meu pai também continuou sendo muito religioso. Ele veio para Boston me buscar. Cheguei no porto de Boston, e ele, ele não pôde viajar até o barco para me encontrar. Ele enviou outra pessoa, e esta pessoa me levou para o apartamento onde ele estava e asssim o reencontrei. E achei que encontraria um homem velho, porque eu tinha passado por tanta coisa... Eu tinha vivido seis vidas, sabe, para mim foi como se fossem cem anos. E achei que veria um homem velho e acabado, cheio de tristeza, sofrimento e remorso. Mas não foi assim. Lá estava um homem jovem, bonito, de cabelos escuros, ereto e elegante, com 50 anos de idade, que me saudou. E isso, isso foi...Tive que ajustar minha visão interna e externa para o que estava realmente vendo. Levou um certo tempo. E, hum, levou um certo tempo para nos acostumarmos um com o outro. Eu, eu tenho que admitir isso. Tenho que admitir isso.


  • US Holocaust Memorial Museum Collection
Ver detalhes arquivísticos

Está página também está disponível em

Thank you for supporting our work

We would like to thank The Crown and Goodman Family and the Abe and Ida Cooper Foundation for supporting the ongoing work to create content and resources for the Holocaust Encyclopedia. View the list of all donors.